sábado, 3 de novembro de 2007

O poder crescente e desmedido das ONG's

Já que a Du, do blog Norte, e a Ru, do Otherside, entre outros blogueiros, postaram sobre paz, aquecimento global, meio ambiente etc., resolvi deixar aqui minha contribuição sobre um tema que sempre aparece nos vários meios de comunicação. Refiro-me à ajuda humanitária das, cada vez mais poderosas, ONG's aos países africanos.

Sempre achei que quando há muito dinheiro envolvido, a possibilidade de fraude e corrupção andam de mãos dadas. Isso sem falar no ego do ser humano que, infelizmente, necessita ser constantemente inflado e mimado. Que pena! Já foi o tempo em que ainda podíamos acreditar na ajuda humanitária desvinculada de qualquer propósito escuso ou de mera publicidade pessoal.

Ao ler esta matéria tomei consciência de que meu pensamento não estava de todo errado. Pelo menos há mais gente que pensa sobre o assunto, como o autor da matéria, e que teve coragem de expor seus argumentos ao mundo. E imaginar que tanto poder e arrogância acabam por emperrar algo que poderia de fato funcionar. Ajudar, simplesmente, sem tantos holofotes e anúncios antecipados à mídia!!

Bom, leiam e reflitam!

PS: Aproveito para deixar aqui uma informação que li no blog da querida amiga Lusófona, do Palavras Articuladas. Ela mantém um banner do lado esquerdo do blog, este da imagem acima, pedindo uma postagem coletiva no dia 05/11/2007 como forma de ajudar Ana Virgínia. O slogan é "Justiça e Liberdade"! Quem quiser, pode clicar na imagem que será direcionado ao site de ajuda. Mas aproveitem para conhecer o blog da Lusófona, que além de manter campanhas de ajuda humanitária, ainda articula muito bem as palavras.

Instituições humanitárias são os novos imperialistas na África
Greg Mills*
Em Johannesburgo, África do Sul

"Façamos um teste. Vamos ver qual Landcruiser de uma ONG chega primeiro ao estacionamento", disse recentemente um colega em Ruanda.

Não era uma piada. A área de estacionamento de um restaurante sofisticado em qualquer capital africana revela muita coisa a respeito do novo jogo neo-imperialista que se desenrola na África.

Um veículo de tração nas quatro rodas após o outro, cada um trazendo a logomarca de alguma agência doadora ou instituição de caridade voltada para as crianças, disputava o espaço para estacionar.

Não é difícil também identificar o pessoal do setor humanitário. Eles geralmente são brancos e barulhentos, e preferem usar um uniforme do tipo chique-surrado composto de camiseta, calça jeans e sandálias. Mas eles são mais poderosos e geralmente menos benignos do que parecem.

O fato de ter me sentado recentemente no Cafe Bourbon na reluzente área de compras em Kigali abriu os meus olhos - e os meus ouvidos - para algumas das conseqüências disso.

"Precisamos apenas transferir os US$ 8,5 milhões", disse o funcionário norte-americano de uma proeminente organização não governamental. Tal dinheiro confere poder e influência consideráveis a esses indivíduos. O ruandês médio ganha US$ 240 por ano. O orçamento anual do governo é de US$ 650 milhões. Acontecimentos recentes no Chade relativos ao suposto contrabando de crianças órfãs por uma ONG ilustram, para dizer o mínimo, o grau de suspeita provocado por tal poder relativo.

Aqueles que simpatizam com o povo, a maioria jovens, que realizam trabalhos humanitários na África argumentam que fornecem habilidades muito necessárias aos africanos destituídos. A defesa normalmente acrescenta que eles estão abdicando de carreiras promissoras e enfrentando dificuldades ao optar por esse trabalho.

O que eles não enfatizam é o dano menos óbvio que causam. Aqueles que anteriormente prestavam serviços imperialistas sofreram dificuldades, doenças e violência. Naquela época não havia evacuação médica de emergência, a mídia para dramatizar os serviços realizados, nem astros da música pop para fazer campanhas favoráveis àqueles funcionários. E, ainda que aqueles antepassados tenham promovido políticas que hoje em dia são consideradas repulsivas, eles eram mais responsáveis do que os indivíduos engajados nesse novo serviço quase colonial. Os agentes imperialistas do passado pelo menos tinham que prestar contas aos parlamentos e contribuintes, e não a diretorias escolhidas internamente, compostas de líderes ideológicos cheios de auto-importância.

Mas isso não é o pior. Recentemente Paris Hilton anunciou que será realmente corajosa e viajará para Ruanda.

"Sim, estou assustada", disse ela. "Ouvir dizer que é realmente perigoso. Nunca fiz uma viagem como essa".

Ela estaria pretendendo "deixar a sua marca", assim como vários outros antes dela, supostamente ajudando a África enquanto ajuda a si própria. Assim que chegar lá ela pode pensar em fazer uma visita à Millennium Development Village local, uma idéia para ajudar a África formulada pelo professor da Universidade Columbia, Jeffrey Sachs. A celebridade cabeça-de-vento poderia conhecer a celebridade da economia.

Ao explicar o que motivou a idéia da viagem, Hilton declarou: "Existe tanta necessidade nessa área, e sinto que, se for lá, isso atrairá mais atenção para aquilo que as pessoas podem fazer para ajudar".

Se isso de fato ocorrer, tomara que a visita da herdeira do império da hotelaria - uma visita atualmente adiada - seja mais bem-sucedida do que o conceito de vila por meio do qual Sachs quis provar a sua teoria de que, se você fornecer recursos suficientes a uma pequena unidade, os habitantes prosperarão, em um micro-protótipo da tese do "mais ajuda é igual a mais desenvolvimento africano".

O custo dos "serviços" prestados por tais estrangeiros é, como sempre, carregado pelos africanos. As suas ações, técnicas de obtenção de verbas e proeminência fortalecem a percepção de que a África é incapaz de ajudar a si mesmo, uma percepção ao mesmo tempo doméstica, e, especialmente tendo em vista as exigências feitas para o financiamento das ONGs estrangeiras, externa. O trabalho dessas pessoas perpetua a idéia do desamparo e uma mentalidade de vítima.

Em um momento no qual muita gente percebeu que o desenvolvimento da África depende dos africanos determinarem as suas próprias políticas e fazerem essas escolhas, tais ações deslocam poder e ênfase para longe dos tomadores de decisões do continente.

Retratar a África como um objeto de pena é algo que também ignora o progresso bem real que o continente, atualmente no seu quarto ano consecutivo de crescimento de 6% do seu produto interno bruto, fez na solução de conflitos e elevação dos padrões de vida.

O que a África necessita é de um crescimento econômico extraordinário, e não de uma piedade extraordinária. É por isso que a África acabará cansando-se desta nova geração de imperialistas, assim como rejeitou os imperialistas anteriores.

*Greg Mills é diretor da Fundação Brenthurst, com sede em Johannesburgo.

Tradução: UOL

Visite o site do International Herald Tribune

Fonte: UOL Mídia Global

4 Recado(s). Após o sinal, deixe o seu!:

Iberê

Concordo que seja um absurdo o que Paris Hilton ou seus colegas de Land Hover fazem por lá, mas há que se tomar um pouco de cuidado nessa generalização. Ainda há muitas ONGs sérias cujo objetivo passa longe do dinheiro e da glória pessoal.

Du

Como você escreve bem, meu amigo!!! E eu gosto muito da Lusófona e seu Palavras Articuladas também! Ô gente boa que eu tô conhecendo aqui, graças a Deus!!!

beijussssssssssssss

Lusófona

Ô meu querido!!! Que bela propaganda..rsrsrs

Ganhei a noite... estou toda babada..rsrs

Eu também gosto muito dessa lavanderia =0)

Acho que o amigo escreve muitíssimo bem. Parabéns!!

E a Du é uma querida nova amiga.

Beijos e feliz fim de semana

Juca

Iberê, concordo contigo. Existem muitas ONG's sérias e com objetivos louváveis. Não estou questionando, e acho que nem o autor da matéria, a ajuda oferecida, mas sim o ego do ser humano por trás delas, o poder que ele detém e que pode corrompê-lo.

PS: Obrigado pela visita ao meu humilde blog.

Du e Lusófona, assim fico me sentindo o "tal". rs rs rs Brincadeirinha, amiguinhas blogueiras! Procuro me esforçar para escrever o que sinto e que poderia, de alguma forma, ajudar os leitores a pensarem mais criticamente o que leêm por aí.
Meninas, obrigado pelo carinho e pela visita.

Assinar Feed dos Comentários

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu comentário sobre os serviços da "Lavanderia Virtual". Procurarei respondê-lo o mais rápido possível. Volte sempre! :-)

Abraços,
Juca (o gerente)



 

  ©Template Lavanderia Virtual, Customizado por Juca, baseado em Blogger Addicted.____Icons by DryIcons._____Ping Technorati____