terça-feira, 4 de outubro de 2005

Discriminação: Ato Indigno do Ser Humano!!

Gostaria de deixar aqui minha profunda indignação! Até quando as pessoas continuarão a tratar seus semelhantes com tamanha falta de respeito?! Por favor, leiam a matéria e tirem suas próprias conclusões!!
-----------
Abraços!
Juca
---------------
Le Monde
04/10/2005
Soropositivos discriminados no local de trabalho
Aos 35 anos, Joel Vermont, funcionário de um banco, foi rejeitado por seus colegas e por seus superiores, que descobriram que ele é soropositivo. As atitudes de afastamento persistem na esfera profissional, mas também no meio médico e no círculo familiar
------------------------
Paul Benkimoun
Em Paris
------------
Seis em cada dez portadores do vírus da Aids são vítimas de discriminação, segundo uma pesquisa realizada pelo Sida Info Service e divulgada nesta segunda-feira (03/10). O fenômeno é particularmente presente no mundo profissional, devido ao medo do contágio e ao preconceito. O índice pode chegar a 73,2% para pessoas cuja soropositividade foi descoberta há mais de 20 anos.
Assim, Joel Vermont, conselheiro comercial na agência parisiense de um grande banco, sentiu-se discriminado quando voltou ao trabalho depois de uma longa licença em 1999. Seus colegas, sabendo que ele era soropositivo, o afastaram, e seus superiores reduziram suas responsabilidades. Hoje colocado em invalidez, ele quer que o preconceito seja reconhecido.
A discriminação se instalou insidiosamente. Em 1999, aos 35 anos, depois de ter escapado milagrosamente da morte no ano anterior e retomado seu trabalho, Joel Vermont sentiu que "alguma coisa não ia bem" entre seus colegas na agência de um grande banco em Paris. Ele soube que estava infectado pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em 1992 e está sob tratamento desde 1994. Mas não disse nada no trabalho. Em 1998, uma grave infecção respiratória, sinal de evolução ao estado de Aids, o deixou em coma durante 45 dias e provocou um longo período de reeducação funcional. Ao voltar ao trabalho, Vermont preferiu guardar discrição sobre os motivos de sua hospitalização. "Eu me limitei a contar que tive uma grave infecção pulmonar, assim como uma doença digestiva, o que era verdade. Não quis ir além disso."
Naquele momento ele ainda ignorava que sua diretora havia obtido informações sobre sua saúde, fazendo-se passar por um membro da família. Cansado demais para trabalhar em tempo integral, Vermont consegue um meio-período terapêutico.
"Aos poucos percebi que eu era afastado por meus colegas", ele lembra. "Eles me convidavam cada vez menos. Não me avisavam quando iam tomar uma bebida depois do expediente. Eu não encontrava mais lugar para sentar com meus colegas no almoço e tinha de fazer as refeições com os estagiários."
Vermont chegou a perder algumas responsabilidades. "Eu tinha me tornado oficialmente um 'polivalente comercial'", ele disse. Ou seja, um tapa-buraco, sem uma carteira de clientes para administrar. "A direção me mandava fazer os trabalhos mais repetitivos, mais desinteressantes."
-----------------
"EXISTEM DIREITOS"
----------------------
O clima se degradou e aumentaram os atritos com colegas. "O que me causou mais mágoa", conta Vermont, "foi a atitude de uma sindicalista da CFDT, que não me tratava melhor que os outros. Depois eu soube que ela era um dos que faziam fofocas a meu respeito."
Quando uma nova diretora assumiu a agência, Vermont lhe contou seus problemas e soube que ela fora informada pela ex-diretora de que ele era soropositivo. "Quanto mais tempo passava, mais eu desmoronava", ele lembra.
Seu médico percebeu que ele estava deprimido. "Você não está bem. Vou pedir uma licença", ele avisou. Vermont foi contrário, pois chegara ao fim do período em que recebia remuneração integral e corria o risco de ficar com meio salário.
Em março de 1999 ele concordou e foi tratado durante três meses de depressão. Dessa vez nenhum de seus colegas pediu notícias dele. Quando retornou ao trabalho, foi confinado a tarefas cada vez mais ingratas.
Devia principalmente cuidar de um estudante estagiário. Este lhe contou que os colegas o haviam advertido, dizendo que Vermont era homossexual e quase com certeza soropositivo, desequilibrado e nocivo. A pedido de Vermont, que pensava em abrir um processo judicial, o estudante redigiu um depoimento.
Em junho de 1999 a Previdência Social reconheceu que ele tinha "invalidade-incapacidade de trabalho de segunda categoria", o que provocou a cessação de sua atividade.
Alguns meses depois ele recebeu uma ligação do estudante pedindo para retirar seu depoimento: o banco havia lhe oferecido um emprego fixo sob a condição expressa de que ele retirasse o depoimento.
"Eu aceitei não utilizar seu depoimento", explica Vermont. "Não quero criticá-lo por ter aceitado. Mas por isso todas as minhas ações na justiça foram rejeitadas.
"Seu contrato de trabalho sem remuneração continua válido, e Vermont recebe uma indenização de cerca de 150 euros por mês de seguro profissional, completados por uma pensão de invalidez de 850 euros, ou seja, 67% de sua renda anterior.
Apoiado pelas entidades Aides e Act Up, junto às quais ele trabalhou como voluntário, conseguiu no verão uma carta de invalidez de 80%, com efeito retroativo a fevereiro. Será um dado suplementar para obter a aposentadoria que Vermont deseja.
"Uma ruptura do contrato de trabalho por doença me permitiria receber indenizações que a meu ver constituem uma reparação pelo que sofri", ele avalia. Há três anos Vermont aceitou depor "para mostrar que existem direitos e que é preciso respeitá-los".
"Devemos confrontar o desinteresse da população pelas pessoas afetadas pelo vírus da Aids", ele conclui. Vermont sabe do que está falando. Tratado há mais de dez anos, é submetido a uma pesada politerapia: 46 cápsulas por dia.
------------------
Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
--------------------
Visite o site do Le Monde

1 Comentário:

'Thought & Humor'

We work like a horse.
We eat like a pig.
We like to play chicken.
You can get someone's goat.
We can be as slippery as a snake.
We get dog tired.
We can be as quiet as a mouse.
We can be as quick as a cat.
Some of us are as strong as an ox.
People try to buffalo others.
Some are as ugly as a toad.
We can be as gentle as a lamb.
Sometimes we are as happy as a lark.
Some of us drink like a fish.
We can be as proud as a peacock.
A few of us are as hairy as a gorilla.
You can get a frog in your throat.
We can be a lone wolf.
But I'm having a whale of a time!

You have a riveting web log
and undoubtedly must have
atypical & quiescent potential
for your intended readership.
May I suggest that you do
everything in your power to
honor your encyclopedic/omniscient
Designer/Architect as well
as your revering audience.
As soon as we acknowledge
this Supreme Designer/Architect,
Who has erected the beauteous
fabric of the universe, our minds
must necessarily be ravished with
wonder at this infinate goodness,
wisdom and power.


Please remember to never
restrict anyone's opportunities
for ascertaining uninterrupted
existence for their quintessence.

There is a time for everything,
a season for every activity
under heaven. A time to be
born and a time to die. A
time to plant and a time to
harvest. A time to kill and
a time to heal. A time to
tear down and a time to
rebuild. A time to cry and
a time to laugh. A time to
grieve and a time to dance.
A time to scatter stones
and a time to gather stones.
A time to embrace and a
time to turn away. A time to
search and a time to lose.
A time to keep and a time to
throw away. A time to tear
and a time to mend. A time
to be quiet and a time to
speak up. A time to love
and a time to hate. A time
for war and a time for peace.


Best wishes for continued ascendancy,
Dr. Howdy

'Thought & Humor'

P.S. One thing of which I am sure is
that the common culture of my youth
is gone for good. It was hollowed out
by the rise of ethnic "identity politics,"
then splintered beyond hope of repair
by the emergence of the web-based
technologies that so maximized and
facilitated cultural choice as to make
the broad-based offerings of the old
mass media look bland and unchallenging
by comparison."

Assinar Feed dos Comentários

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu comentário sobre os serviços da "Lavanderia Virtual". Procurarei respondê-lo o mais rápido possível. Volte sempre! :-)

Abraços,
Juca (o gerente)



 

  ©Template Lavanderia Virtual, Customizado por Juca, baseado em Blogger Addicted.____Icons by DryIcons._____Ping Technorati____